Cientistas encontram sangue de mamute em estado liquido


Enquanto “cutucava” os restos mortais de um mamute, um grupo de cientistas da Northearstern Federal University teve uma grande surpresa: um esguicho de sangue incrivelmente escuro brotou de um ponto que antes era a barriga do animal - que, de acordo com as análises, morreu há mais de 10 mil anos.

A descoberta foi feita em uma das ilhas Lyakhovky, localizadas no arquipélago de Novosibvrisk, litoral norte da sibéria.

A surpresa não parou por aí, além do sangue em estado liquido, os fragmentos de tecidos musculares do animal, tinham uma coloração vermelho natural de carne fresca, segundo afirmações do líder da expedição e presidente do Museu de Mamutes da referida universidade, Semyon Grigoriev.

O motivo da preservação do sangue e dos fragmentos de tecido musculares é que a parte inferior do corpo se encontrava em gelo puro, enquanto que a superior foi encontrada em meio da tundra.

Além de encontrar sangue em estado liquido, há outro fato que chamou a atenção da equipe de cientistas. Quando eles encontraram o mamute, a temperatura era de 10 graus Celsius negativos, clima suficiente para congelar o fluido, portanto. “Pode-se assumir que o sangue possua propriedade crioprotetoras”, considera o cientista.

Com todas essas descobertas que vão facilitar ainda mais os estudo da espécie, reacendeu-se a ideia de clocar mamutes, algo que há pouco tempo atrás foi proposto por um grupo de cientistas, mas por diversos motivos “genéticos”, que iam dificultar a proeza, foi desconsiderada a hipótese.

Um grupo de cientista irá se juntar a eles para estudar melhor os restos mortais do animal, entre julho e agosto. Optaram por fazer isso, já que corriam riscos de danificar seriamente os restos mortais se tentassem retirá-lo do local.

Depois desses estudos os cientistas iram se reunir para discutir novamente a hipótese de clonar os mamutes.

E agora fica a pergunta: “Realmente é necessário trazer de volta à vida, uma espécie que viveu há mais de 10 mil anos?”. Deixe sua opinião nos comentários.


Nenhum comentário:

Postar um comentário